Crise e Castigo

Fernando Alexandre, Luís Aguiar-Conraria e Pedro Bação, Crise e Castigo. Os desequilíbrios e o resgate da economia portuguesa, Fundação Francisco Manuel dos Santos, 2016. Prefácio de José Manuel Durão Barroso. 216 páginas.

Índice:

Prefácio

1. Introdução

2. No pelotão da frente

2.1 A integração numa Europa cada vez mais integrada

2.2 Um país europeu

2.3 O euro: estabilização e transformação da economia

2.4 Uma economia com crédito

3. O Estado Leviatã

3.1 Um monstro insaciável

3.2 O peso dos funcionários

3.3 Um Estado Social europeu

3.4 O Sector Empresarial do Estado e as PPP

4. Viver acima das possibilidades

4.1 Uma economia entre intervenções do FMI

4.2 Poupança e endividamento

4.3 Euro e competitividade

5. A longa estagnação

5.1 A mais longa paragem dos últimos 100 anos

5.2 Uma economia pouco transaccionável

5.3 Relações perigosas

6. Uma visão benigna

6.1 Endividamento e desequilíbrios globais

6.2 Endividamento: o efeito magnificador do euro

6.3 Os NINJA da zona do euro?

6.4 Soaram sinais de alarme

7. O insustentável peso da dívida

7.1 Da crise financeira internacional à crise das dívidas soberanas

7.2 A arquitectura da área do euro e o papel do BCE

7.3 A (in)sustentabilidade da dívida pública

7.4 De PEC em PEC até ao resgate

8. O resgate e a correcção do défice orçamental: a expiação

8.1 Medidas de consolidação orçamental no memorando de entendimento com a troika

8.2 A aplicação das medidas de consolidação orçamental

8.3 Consolidação orçamental pela despesa ou pela receita

9. A caminho da redenção?

9.1 Ajustamento estrutural na zona euro

9.2 Recessão e recuperação

9.3 A espiral recessiva, os multiplicadores e o Tribunal Constitucional

9.4 Bancos com os cofres cheios de problemas

10. Conclusão

Referências bibliográficas