COMO PESQUISAR INFORMAÇÃO NA INTERNET?

As pesquisas na Internet não são tão fáceis quanto parecem. Frequentemente, quem pesquisa na internet é confrontado com uma vontade súbita em desligar imediatamente o computador quando não consegue encontrar aquilo que procura. Quem pesquisa na internet deve, em primeiro lugar, estar consciente que não existem receitas milagrosas para ser bem sucedido na pesquisa.

A primeira regra a respeitar por quem pesquisa na internet é não desesperar. Qualquer pesquisa mistura um pouco de treino com uma grande dose de sorte. Na internet este princípio é ainda mais verdadeiro.

Para quem pesquisa na internet, os nomes dos motores de busca mais conhecidos (Google, Yahoo, AltaVista - ou, em Portugal, o Sapo, o Aeiou, o Cusco ou o Clix) tornaram-se instrumentos de pesquisa incontornáveis. Estes são alguns dos inúmeros motores de busca que ajudam a pesquisar informação na internet. O êxito de qualquer pesquisa passa por tomar conhecimento que os motores de busca não funcionam todos da mesma maneira. Por isso, torna-se imprescindível conhecer e compreender as diferenças existentes entre eles, bem como saber avaliar as virtualidades e as limitações de cada um.

Caso prático 1:

Uma pesquisa efectuada no Google (em Junho de 2002) sobre famílias monoparentais em língua portuguesa e em língua inglesa (single-parent family) devolve, respectivamente, 775 e 284000 registos.

Desde logo se torna evidente que a visualização e exploração de milhares de registos não é compatível com o tempo disponível para a pesquisa. A solução passa por explorar os registos que pareçam mais pertinentes a partir da leitura do texto disponível abaixo do título. Como o tempo exigido para proceder a esta operação é incomensurável, pode-se sempre, conforme o tempo disponível, restringir a análise às primeiras centenas de títulos listados. Com alguma sorte encontrar-se-á informação pertinente.

Outra solução mais viável passa por filtrar os resultados obtidos através de uma pesquisa booleana ou de uma pesquisa avançada. Na maioria dos motores de busca pode utilizar-se o sinal de adição (+) antes da(s) palavra(s). Este sinal indica que essa(s) palavra(s) deve aparecer no texto. O sinal de subtração (-) exclui o termo. Para procurar por uma frase exacta, coloque-a entre aspas (“ “). Os motores de busca disponibilizam, em regra, uma opção de "pesquisa avançada" que é de grande utilidade para proceder à filtragem dos resultados.

Retomando o caso prático. Se voltarmos à nossa pesquisa no Google, e utilizarmos a opção "pesquisa avançada", podemos procurar páginas com as palavras "single-parent family", mas sem as palavras "adoption" e "divorce". A pesquisa assim efectuada devolve apenas 181000 dos 284000 registos iniciais.

Utilizando sempre a pesquisa avançada, se em vez de procurarmos páginas com as palavras "single-parent family" procurarmos páginas com a expressão "single-parent family" sem as palavras "adoption" e "divorce", o número de registos diminui para 15700.

Se repetirmos esta pesquisa, procurando apenas páginas onde a expressão "single-parent family" aparece no título da página, o número de registos passa para 626.

Repetindo a pesquisa, mas restringindo-a apenas a páginas actualizadas nos últimos 6 meses, obtemos 503 registos. Para os 284000 registos iniciais, trata-se de uma "economia" significativa.

Caso prático 2:

Uma pesquisa efectuada no Yahoo (em Junho de 2002) sobre "moda" (em língua portuguesa) devolveu 1250000 registos. O lançamento de uma pesquisa mais específica sobre "moda masculina italiana" (+moda +masculina +italiana) reduziu os registos listados para 726. A restrição da pesquisa com a exclusão de Versace (+moda +masculina +italiana -versace) reduziu o número de registos para 656. Se fizermos a mesma pesquisa excluindo o criador John Galliano (+moda +masculina +italiana -versace -galliano) a pesquisa devolve 641 registos.

Alguns operadores boleanos - AND (E), OR (OU) E NOT (NÃO) - são também utilizados para filtrar resultados. Uma pesquisa efectuada no Altavista (em Junho de 2002) sobre "divorce" devolveu 902191 registos. Uma pesquisa filtrada sobre divórcio de americanos de etnia branca e negra excluíndo as estrelas de cinema - divorce and americans (white or black) not "movie stars" - devolveu apenas 138 registos.

Nota 1:

Quem não está familiarizado com a sintaxe da pesquisa booleana, e pretende filtrar as pesquisas, dispõe sempre da pesquisa avançada que os motores de busca oferecem. A generalidade dos motores de busca disponibiliza métodos sofisticados de pesquisa que, de uma forma simplificada, permite incluir e excluir palavras e formular equações de pesquisa mais complexas (especificando, por exemplo, a data de criação das páginas a pesquisar).

Nota 2:

Os casos práticos identificados acima mostram que ao pesquisarmos na internet é muito frequente depararmo-nos com uma imensa quantidade de páginas de livre acesso, cujo conteúdo raras vezes corresponde àquilo que procuramos.

Existem, na internet, páginas de acesso restrito (exigem o pagamento de uma assinatura) que facultam o acesso a informação mais especializada e que, em princípio, respondem melhor às necessidades da pesquisa.

Existem também páginas que permitem pesquisar conteúdos personalizados gratuitamente. A Northern Light (www.northernlight.com) disponibiliza cerca de 6000 periódicos, oferecendo a referência completa e o sumário dos artigos. O acesso ao artigo integral via net tem um custo que, na maior parte dos casos, ronda os 5 Euros.

Nota 3:

Além das modalidades de pesquisa identificadas nos dois casos práticos descritos acima pode sempre efectuar-se a pesquisa colocando uma pergunta directa ao motor de busca. Quer o Altavista, quer o Ask Jeeves permitem a formulação de perguntas, às quais fazem corresponder uma ou mais respostas. Pode, por exemplo, perguntar-se 1) Where can I find the history of Alcoholics Anonymous?; 2) What is the story of the opera Aida?; 3) Where can I learn about teen pregnancy?; 4) Where can I find an IQ test online?; etc.

Passos essenciais para optimizar a pesquisa na internet?

1) Concepção da pesquisa (ver desenvolvimento mais abaixo).

Na internet, mais do que em qualquer outro suporte, a pesquisa tem de ser devidamente concebida e planeada. A sorte necessária para se encontrar aquilo que realmente se pretende depende da capacidade em se definir claramente aquilo que se procura. Conceber e planear a pesquisa obriga a ter respostas claras para as seguintes perguntas: 1) qual a informação pretendida (endereços url, endereços de correio electrónico, software)? 2) que palavras-chave podem conduzir a essa informação? Deve notar-se que as opções oferecidas por alguns motores de busca, que permitem limitar a língua e a região a pesquisar, acabam por ser irrelevantes, pois os documentos listados são sempre os mais relevantes em termos da equação de pesquisa.

2) Selecção das ferramentas de pesquisa.

Cada tipo de pesquisa exige uma ferramenta adequada. Instruções sobre a adequação da ferramenta à natureza da pesquisa podem ser encontradas nesta página.

3) Metodologia da pesquisa.

Uma pesquisa na internet exige paciência, flexibilidade e prudência. Paciência porque é quase impossível dispor de tempo para explorar todos os resultados listados na sequência de uma pesquisa, ou porque a ligação à internet pode ser lenta e levar ao desespero. Flexibilidade porque é necessário conjugar e articular várias ferramentas para se encontrar a  informação pertinente. Prudência porque quando se encontra a informação pertinente é necessário tomar medidas que garantam o seu acesso nos dias seguintes. Uma dessas medidas é inserir o endereço encontrado na lista dos Favoritos (bookmarks). Ainda que o ficheiro dos Favoritos cresça de forma assustadora é sempre preferível tentar encontrar lá o endereço ou a informação do que ter de os procurar de novo em toda a internet (onde a informação é indexada regularmente e onde o número de páginas se eleva aos milhões). A medida mais prudente é gravar o ficheiro ou a(s) página(s) em disco.

Concepção da pesquisa

Quem? O quê? Onde? Quando? Porquê? Como?

A concepção de uma pesquisa na internet obriga no mínimo a reflectir sobre a pesquisa a partir de duas questões essenciais:

1) O que é que eu procuro exactamente? 

2) O que pretendo fazer com o que procuro?

O desenvolvimento da pesquisa obriga, por sua vez, a tirar notas e a registar procedimentos de modo a permitir uma inquirição sistemática. Esta medida é essencial sempre que:

1) Se efectuam pesquisas complexas. 

2) Se efectuam pesquisas para outra pessoa.

3) Se efectuam pesquisas no âmbito de uma formação.

 

Quem?

Perfil do solicitador

O quê

Natureza da informação

Onde?

Limites geográficos, lugares-recurso

Porquê?

Objectivo(s)

Como?

ferramentas, métodos, estratégias

Quem?

Quem necessita da informação?

Uma única pessoa? Um grupo específico?

Qual o nível de conhecimento sobre o assunto?

Qual o nível de formação? Qual o nível de estudos?

A que título?

Qual o estatuto? Qual a função? Qual o nível de responsabilidade?

O quê?

Que tipo de informação?

Um endereço? Estatísticas? Uma definição? Esclarecimentos sobre um conceito? Artigos de imprensa? Estudos? Pontos de vista de peritos? Instrumentos práticos? Exemplos de experiências?

Qual a língua desejada?

Em português? Noutra língua? Em várias línguas em simultâneo?

Onde?

Quais os limites geográficos?

Em que continente? Em que país?

A que nível?

Nacional? Académico? União Europeia? Lusofonia?

Que lugares-recurso?

Na internet? Sem ser na internet?

Quando?

Quais os limites temporais?

Uma data precisa? Qual o grau de anterioridade?

Com que frequência?

Trata-se de uma questão pontual ou frequente?

Qual o prazo?

Quanto tempo disponho para a pesquisa?

Porquê?

Para que serve a informação?

Qual o objectivo principal?

Quais os objectivos adicionais?

Satisfazer uma curiosidade pessoal? Tomar uma decisão? Se sim, qual? Preparar uma aula, uma apresentação, uma intervenção? Se sim, em que contexto?

Como?

Com que meios?

De que meios disponho?

Com que ferramenta(s)?

Uma ou várias ferramenta(s)? Uma ferramenta geral ou especializada? Um directório, um indexante ou um metapesquisador?

Com que método?

Com que palavras-chave? Com que sintaxe? Qual o modo de pesquisa: simples ou avançada?

 

Como escolher?

Encontrar as palavras-chave adequadas

Palavras suficientemente precisas

a) Evitar os termos excessivamente gerais susceptíveis de originar demasiado "ruído" nas respostas.

b) De preferência, escolher termos específicos que podem ser generalizados na sequência da pesquisa.

Palavras suficientemente genéricas retiradas dos motores (yahoo, lycos, etc.)

a) Para encontrar mais facilmente as categorias e para identificar os sítios que agrupam matérias relacionadas com o tema (sobretudo nos directórios).

b) Filtrar, com termos mais precisos, na sequência da pesquisa. 

A língua

a) A pesquisa torna-se mais produtiva se for efectuada na língua do motor de busca.

O tipo de palavras

a) De preferência, escolher nomes.

b) Utilizar as outras palavras (verbos, adjectivos, advérbios, pronomes) sobretudo nas expressões entre aspas.

O número de palavras

a) Quanto maior for o número de palavras, mais se restringe a pesquisa.

b) Uma única palavra pode ser suficiente.

c) Tentar nunca incluir na equação de pesquisa inicial mais do que três palavras.

A ordem das palavras (nalguns motores é um factor relevante)

a) Quais as palavras-chave prioritárias?

b) Começar pelas palavras mais importantes (verificar sempre em cada motor a sintaxe aceite para pesquisa).

Reajustar a pesquisa em função do "ruído" e do "silêncio"

Restringir a pesquisa

"ruído"

Alargar a pesquisa

"silêncio"

a) Afinar a pesquisa utilizando termos mais precisos;

a) Alargar a pesquisa utilizando termos genéricos;

b) Excluir as palavras que geram mais ruído, empregando o sinal "-" ou a expressão "NOT";

b) Utilizar sinónimos recorrendo à expressão "OR" (OU);

c) experimentar restringir através da exclusão de países e línguas;

c) Experimentar antónimos recorrendo à expressão "OR";

Como interrogar uma base? Alguns princípios para pesquisar em versões locais dos motores de busca.

Versões locais

Alguns motores como o Google, o Yahoo, ou o Lycos dispõem de versões locais em inúmeros países (com interfaces na língua materna desses países).

Em regra, estas versões dão melhores resultados que as versões mundiais. A semelhança entre as categorias de diferentes versões facilita a passagem de uma língua para outra sobre um determinado tema. As versões locais destes motores para a língua portuguesa estão preparadas para o mercado brasileiro.

O que procura?

a) De que ferramenta necessita?

b) Em que língua deseja obter os resultados.

Três questões de base para avaliar os sítios.

a) O sítio é fiável?

b) A informação é interessante?

c) Era mesmo isto que procurava?

Para uma avaliação mais rigorosa

Quem?

Autor, organismo...

O quê

Qualidade da informação, do documento, do sítio

Onde?

Origem da informação, limites geográficos

Quando?

Período tratado, data do documento

Porquê?

Objectivo(s) do documento, do sítio

Como?

estrutura do documento, navegação no sítio

Quem?

Quem é o autor do documento?

a) O autor está identificado? Podemos contactá-lo?

b) Trata-se de um especialista na matéria?

c) Exprime-se em nome de uma instituição ou a título individual?

O Quê?

Qual a natureza do sítio?

a) Trata-se de um sítio institucional? De um sítio associativo? De um sítio comercial?

b) A competência e a fiabilidade do sítio ou dos seus autores relativamente ao assunto são reconhecidas?

c) Redirecciona para sítios fiáveis? Os sítios fiáveis têm ligações para esse sítio?

Qual a pertinência das informações?

a) São estas as informações que procuro?

b) O nível das informações responde à minha exigência?

c) O sítio trata o assunto pesquisado de modo suficientemente simples ou suficientemente elaborado?

Qual o interesse do documento?

a) O documento é verdadeiramente interessante?

b) O que traz o documento de novo?

Onde?

Donde provem a informação?

a) Trata-se de um sítio português?

b) Trata-se de um sítio lusófono? Europeu?

Quais os limites geográficos da informação?

a) A informação restringe-se a um determinado país? Isso convem-me?

b) A informação é válida noutros contextos geográficos?

Quando?

De que período se trata?

a) O período tratado corresponde às minhas necessidades?

Qual a data do documento?

a) O documento tem uma data?

b) O documento necessita de alguma actualização?

c) Qual a data da última actualização?

Porquê?

Quais são os objectivos?

a) Quais os objectivos que presidiram à elaboração do documento? Qual o público alvo?

b) Quais os objectivos do sítio? Qual o público alvo?

Como?

Como se apresenta o documento?

a) A redacção da informação é clara?

b) O documento está bem estruturado?

c) As fontes estão bem referenciadas?

Como se acede à informação?

a) A informação é gratuita ou paga?

b) Navegar no sítio é fácil?

c) As páginas carregam rapidamente?

 

 

Fontes utilizadas

Blattmann, Ursula (1998), "Curso sobre como pesquisar na internet". Página consultada em 27 de Junho de 2002, <http://www.ced.ufsc.br/bibliote/enebd/minicursos/pesquisa.html#bases>.

Cohen, Laura (2002), "Conducting Research on the Internet". Página consultada em 14 de Junho de 2002, <http://library.albany.edu/internet/research.html>.

EducNet (2002), "Rechercher sur internet: guide". Página consultada em 29 de Maio de 2002, <http://www.educnet.education.fr/dossier/rechercher/default.htm>.

Rodrigues, Eloy (1996), "Pesquisar informação na internet". Página consultada em 20 de Junho de 2002, <http://www-bib.eng.uminho.pt/Pessoal/Eloy/Curso/pesquisa.htm>.

 

© 2002 - 2008 Paulo Peixoto, Faculdade de Economia, Universidade de Coimbra