COMO CITAR AS FONTES CONSULTADAS?

Existem formas diversas de citar. Porém, qualquer que seja o formato escolhido entre os mais comuns a única maneira aceitável de citar é citar correctamente. Ou seja, a citação tem de identificar e permitir localizar, sem qualquer equívoco possível, o documento citado.

A utilização de documentos retirados da internet coloca algumas questões pertinentes sobre a forma de os citar. Esta página procura responder às dúvidas surgidas a esse nível.

O modelo de citação que adoptamos e recomendamos aqui para explicar como citar documentos de diferente natureza, por ser aquele que é dominante em Portugal, é inspirado no modelo da American Sociological Association (Sistema de Harvard). Outros modelos de citação são utilizados em Portugal. Mas qualquer modelo só é aceitável se contiver os dados bibliográficos indispensáveis à sua identificação.

O modelo de citação ensinado na disciplina obedece aos critérios das normas ISBD - "International Standart Bibliographic Description" e às Regras Portuguesas de Catalogação, nomeadamente à norma sobre referências bibliográficas e citações NP 405 de 1966 e NP 405-1 de 1994, que introduz algumas alterações. Obedece ainda às Normas ISO (International Standart Organization), nomeadamente às normas ISO 690-2 e ISO 690:1987.


para que serve uma referência bibliográfica?

Uma referência bibliográfica cumpre quatro funções essenciais:

a) Reconhece o mérito do autor do texto consultado. Trata-se, acima de tudo, de uma questão de honestidade intelectual e, frequentemente, de uma responsabilidade deontológica pautada pela não apropriação indevida do trabalho dos outros. A utilização de fontes bibliográficas é, supostamente, reveladora de uma atitude intelectual prudente de quem reconhece não estar a "descobrir a pólvora". Quando não se cita pode-se inadvertidamente estar a plagiar outros autores. A alínea a) do nº 76 do Código dos Direitos de Autor (Lei 45/85 de 17 de Setembro) diz explicitamente que a utilização livre de publicações deve ser acompanhada “Da indicação, sempre que possível, do nome do autor e do editor, do título da obra e demais circunstâncias que os identifiquem”. O ponto 2 do mesmo artigo refere que “As obras reproduzidas ou citadas não se devem confundir com a obra de quem as utilize, nem a reprodução ou citação podem ser tão extensas que prejudiquem o interesse por aquelas obras”.

b) Confere maior credibilidade àquilo que o autor escreve, pois denota a sua preocupação em consultar o trabalho daqueles que escreveram sobre o mesmo tema. Sempre que se trata da utilização de uma fonte reconhecida, vista como uma autoridade nesse campo, reforça essa mesma credibilidade. Para quem lê, a citação permite identificar as ideias e informações da autoria de quem escreve e aquelas que são retiradas ou inspiradas em outras fontes.

c) Permite a quem lê localizar, confirmar e explorar a fonte de onde foi extraída a informação.

d) Funciona como espécie de "memória auxiliar" para o autor, permitindo-lhe o seu uso posterior.


AS CITAÇÕES NOS TRABALHOS DOS ESTUDANTES

O desenvolvimento de um trabalho académico íntegro obriga não só à identificação das fontes, mas também à criação de ideias próprias. Embora esta regra seja de fácil compreensão a sua aplicação prática está rodeada de algumas dificuldades. As dificuldades mais comuns com que os estudantes se deparam na elaboração dos seus relatórios são:

a) Basearem excessivamente os seus relatórios na informação de outros autores;

b) Parafrasearem ou sumariarem excessivamente a linguagem e ou informação de outros autores;

c) Citar incorrectamente as fontes;

d) Dependerem excessivamente da ajuda de outras fontes.

Mais grave que isto, constituindo violações graves da integridade académica, é apresentar trabalhos de pesquisa iguais ou idênticos em disciplinas diferentes ou "pedir emprestados" trabalhos a colegas de anos anteriores ou de outras universidades e apresentá-los como originais seus.

Ao redigirem os seus trabalhos e relatórios os estudantes são frequentemente confrontados com as seguintes dúvidas: o que citar e não citar? cito em demasia? onde colocar a citação? como evitar o plágio?

Relativamente à dúvida "o que citar" há uma regra básica a seguir: devem ser citadas todas as ideias específicas, as opiniões e os factos que não são da autoria de quem escreve. Em contrapartida não deve ser citado tudo aquilo que faz parte do conhecimento comum. O conhecimento comum tanto diz respeito à informação conhecida pelo público em geral, como à informação genérica de um dado campo profissional. Contudo, porque muitas vezes é difícil identificar onde começa e onde acaba o conhecimento comum, uma boa regra a seguir é "na dúvida deve citar-se".

Sentir-se compelido a fazer uma citação em quase todas as frases significa que não se pensou o suficiente, não se dispensou a atenção devida ou o tempo de investigação necessário ao tópico que se analisa, de modo a que possam surgir e ser desenvolvidas ideias próprias. Um relatório de pesquisa não deve cingir-se a uma compilação de ideias e factos de outros trabalhos. As fontes devem constituir apenas a base a partir da qual são desenvolvidas as ideias de quem escreve. A regra de ouro é, "sempre que é usada informação de outras fontes essa informação deve ser comentada". Além disso a importância e o tamanho do comentário não devem ser nunca menores que a dimensão da fonte utilizada.

Em relação ao local mais indicado para colocar a citação o final do parágrafo não é, geralmente, o local mais aconselhado. Na verdade, a citação colocada no final do parágrafo deixa frequentemente o leitor na dúvida. A citação diz respeito à última frase do parágrafo, ao parágrafo todo, ou a parte do parágrafo? É necessário que quem redige revele explicitamente onde começa e onde acaba a informação da fonte utilizada. A maneira mais fácil de concretizar este desiderato é recorrer a expressões como "Segundo Pedro Hespanha (...)" ou "Carlos Fortuna sustente que (...)".

Sempre que se reescrevam ideias ou informações através de palavras próprias, seja sumariando, seja parafraseando, as ideias e a informação não nos pertencem. A fonte deve, por isso, ser citada. Caso contrário estamos a praticar um plágio que, no meio académico, constitui uma das ofensas mais graves. Plagiar é usar ideias e os escritos de outros autores como se eles fossem nossos.


Citações no corpo do texto

O modelo base de citações no corpo do texto inclui o último nome do(s) autor(es) e o ano de publicação. Além disso, sempre que se faz uma citação directa do trabalho ou se faz referência a uma passagem específica desse trabalho deve acrescentar-se o número das páginas.

a) Se o nome do autor aparece no texto, deve ser seguido do ano de publicação entre parêntesis.

Exemplo: Como refere Boaventura de Sousa Santos (1995), o Estado português caracteriza-se...

b) Se o nome do autor não aparece no texto, deve ser referenciado a partir do seu último nome, seguido de vírgula, espaço e do ano de publicação entre parêntesis.

Exemplo: A experiência turística converteu-se num factor de transgressão das normas sociais (Fortuna, 1995).

c) Se a citação corresponde a uma transcrição ou a uma reprodução quase fiel do texto do autor citado, deve indicar-se o número da(s) página(s) citada(s) imediatamente a seguir ao ano de publicação, ao qual se seguem - antes da indicação da(s) página(s) - dois pontos e um espaço.

Exemplo 1: Hespanha (2002: 35)

Exemplo 2: Nunes (2001: 43-44)

d) Se o texto for uma co-autoria de vários autores deve citar-se da seguinte maneira:

Exemplo para dois autores: (Baganha e Góis, 2001)

Exemplo para três autores: (Estanque, Ferreira e Costa, 2002)

Exemplo para mais de três autores: (Mendes et al., 1998)

Nota: A expressão et al. tem de aparecer obrigatoriamente em itálico. Nas referências  bibliográficas que encerram o trabalho a expressão et al. pode ser substituída pelos nomes dos autores a que se refere.

e) Transcrições ou reproduções fiéis incluídas no texto têm obrigatoriamente de ser colocadas entre aspas, com a referência à(s) página(s) donde foi (foram) retirada(s).

Exemplo 1: "O património histórico das nossas cidades converteu-se num recurso importante de promoção local." (Peixoto, 1997: 56)

Exemplo 2: Como salienta Costa, "o sindicalismo português internacionalizou-se sob o signo da desconfiança mútua entre as duas centrais sindicais." (1997: 132)

f) Quando se cita um autor a partir do texto de outro autor deve recorrer-se à expressão latina apud ou, em alternativa, à expressão in.

Exemplo: Os novos movimentos sociais no México dos anos 90 "converteram-se em mecanismos de legitimação de novas classes dirigentes." (Carrizo apud Massé, 1998: 46)


Citações curtas e longas

As citações curtas (até 3 linhas) devem ser colocadas no corpo do texto entre aspas.

As citações longas (mais de 3 linhas) devem constituir um parágrafo único, recuado 1 cm em relação às margens esquerda e direita do texto, devendo o espaçamento das linhas ser menor, ou colocado em itálico, podendo ou não estar colocadas entre aspas.

Exemplo:

Citação curta: Segundo Carlos Fortuna, “ainda que paulatinamente, os modos de organização política e social do trabalho foram responsáveis pelo crescimento e democratização do acesso ao turismo” (1995: 13).

Citação longa: Segundo Carlos Fortuna,

“Ainda que paulatinamente, os modos de organização política e social do trabalho foram responsáveis pelo crescimento e democratização do acesso ao turismo, à medida que permitiram o aumento dos tempos livres dos trabalhadores e fomentaram a ideologia das férias.” (1995: 13)


Citações com reticências

Sempre que se omite parte do texto transcrito devem ser usadas reticências.

Omissão no início da citação: Segundo Ruivo (1995: 128) o Estado português tem “... assumido formas reticulares quase imperscrutáveis.”

Omissão no meio da citação: Podemos concluir, de acordo com Fortuna (1995: 23) que “O que está em causa (...) é forjar níveis de satisfação antecipada nos consumidores potenciais.”

Omissão no fim da citação: “O estilo de vida depende da apropriação individual ...” (McCracken, 1990: 71 a 89).


Citações com interpolação

Sempre que é necessário intercalar ou acrescentar palavras para esclarecer o sentido da citação, essas palavras devem ser colocadas entre colchetes (parêntesis rectos).

Exemplo: “O processo de regionalização [português] estava assim condenado a morrer à nascença.” (Rodrigues, 1999: 45)


Citações com expressão sic (assim mesmo)

Quando é citada uma parte de um texto que contém incorrecções, deve colocar-se imediatamente a seguir à incorrecção, entre parêntesis ou colchetes, a expressão latina sic de modo a serem externalizadas as responsabilidades da incorrecção

Exemplo: “O ex-presidente da república portuguesa, António Guterres [sic], foi re-eleito presidente da Internacional Socialista.” (Moreira, 2002: 33)


Citações com destaques

Quando pretendemos pôr em relevo (dar um destaque a) algumas palavras ou trechos da citação devemos sublinhá-las (com sublinhado ou estilo carregado), indicando que somos os responsáveis pelo sublinhado.

Exemplo: De acordo com o mesmo autor (Santos, 1992: 51), “... o Estado português procede a uma aplicação selectiva da lei, legitimando, desse modo, a emergência de formas de fenómenos informais de regulação económica.” (sublinhado nosso ou sublinhado do autor, se for o caso)


Citações em língua estrangeira

Sempre que se citam trabalhos em língua estrangeira deve ter-se o cuidado de traduzir para português o trecho citado.

Se no trabalho forem transcritos muitos trechos traduzidos de línguas estrangeiras deve ser mencionado na introdução que as traduções são da autoria de quem redige o texto.

Em alternativa, sempre que se cita um trecho traduzido de línguas estrangeiras, deve referir-se, na sequência do trecho ou em nota de rodapé, que a tradução é da nossa responsabilidade.

Exemplo: Para Backés (1997: 35), “A mudança é uma porta que apenas se abre por dentro.” (tradução nossa)


Citações de uma ideia comum a vários autores

Quando se citam autores diferentes e obras diferentes sobre uma mesma ideia deve respeitar-se a ordem cronológica, elencando as referências da mais antiga para a mais recente (Para trabalhos do mesmo ano adopta-se o critério da ordenação alfabética a partir do último nome do autor).

Exemplo: A semiperiferia tornou-se uma categoria analítica de grande operacionalidade para promover estudos sobre a sociedade portuguesa (Fortuna, 1989; Santos, 1989; Hespanha, 1992 e Santos, 1995a e 1995b).


referências bibliográficas

Como CITAR?

LIVRO

O modelo base de citar um livro segue esta ordem: 1) Último nome do autor, seguido de vírgula, o primeiro nome do autor e espaço. 2) Abrir parêntesis, seguido do ano de edição, fechar parêntesis, vírgula e espaço. 3) Título do livro (em itálico), ponto final e espaço. 4) Local de publicação, seguido por dois pontos ou vírgula e espaço. 5) Nome do editor e ponto final.

Nota: Em alternativa o ano de edição pode aparecer em último lugar, a seguir ao nome do editor, antecedido de vírgula.

Exemplo 1 (um autor):

Fortuna, Carlos (1999), Identidades, percursos, paisagens culturais. Estudos sociológicos de cultura urbana. Oeiras: Celta.

Exemplo 2 (dois ou três autores):

Estanque, Elísio e Mendes, José Manuel (1999), Classes e desigualdades sociais em Portugal. Um estudo comparativo. Porto: Afrontamento.

Stoer, Stephen R.; Cortesão, Luíza e Correia, José A. (orgs.), (2001), Transnacionalização da educação: da crise da educação à "educação da crise". Porto: Afrontamento.

Exemplo 3 (três ou mais autores):

Brotchie, John; Batty, Mike;  Blakely, Ed;  Hall, Peter  e Newton, Peter  (orgs.), (1995), Cities in Competition: productive and sustainable cities for the 21st century. Melbourne: Longman Australia.

OU substituir os outros autores pela expressão et al.

Brotchie, John et al. (orgs.), (1995), Cities in Competition: productive and sustainable cities for the 21st century. Melbourne: Longman Australia.

Exemplo 4 (livro em inglês): Usam-se sempre maiúsculas no início de cada palavra excepto quando se trata de preposições.

Bakhtine, Mikhail (1984), Rabelais and His World. Bloomington: Indiana University Press.

Nota: Como se vê no exemplo 3, quando a obra citada é organizada pelos autores (o que significa que no interior da obra há capítulos escritos por outros autores que não os que organizam a obra), o nome ou nomes dos autores são obrigatoriamente seguidos pela expressão (org.) ou (orgs.). conforme se trate de um ou mais autores.

Capítulo em LIVRO

Como se deduz da nota anterior, por vezes, a fonte utilizada refere-se exclusivamente ao capítulo de um livro que pode ou não ser escrito pelo autor que organiza a obra. Neste caso, o capítulo utilizado como referência bibliográfica deve citar-se do seguinte modo. 1) Último nome do autor, seguido de vírgula, o primeiro nome do autor e espaço. 2) Abrir parêntesis, seguido do ano de edição, fechar parêntesis, vírgula e espaço. 3) Abrir aspas, título do capítulo, fechar aspas vírgula e espaço. 4) in (em itálico), nome(s) do(s) autor(es), espaço, abrir parêntesis, org. ou orgs., fechar parêntesis, vírgula e espaço. 5) Título do livro (em itálico) e ponto final. 6) Local de publicação, seguido por dois pontos ou vírgula e espaço. 7) Nome do editor, vírgula e espaço. 8) página em que o capítulo se inicia, hífen, página em que o capítulo termina e ponto final.

Exemplo 1: Fortuna, Carlos e Peixoto, Paulo (2002), “A recriação e reprodução de representações no processo de transformação das paisagens urbanas de algumas cidades portuguesas”, in Carlos Fortuna e Augusto Santos Silva (orgs.), Projecto e circunstância: culturas urbanas em Portugal. Porto: Afrontamento, 17-63.

Exemplo 2: Fortuna, Carlos (1997), “Destradicionalização e imagem da cidade - o caso de Évora”, in Carlos Fortuna (org.), Cidade, Cultura e Globalização. Oeiras: Celta, 231-257.

OU substituir o nome do autor do livro pela expressão idem (apenas no caso do(s) autor(es) do capítulo ser(em) o(s) mesmo(s) do(s) organizador(es) do livro).

Fortuna, Carlos (1997), “Destradicionalização e imagem da cidade - o caso de Évora”, in idem (org.), Cidade, Cultura e Globalização. Oeiras: Celta, 231-257.

LIVRO sem autor

Acontece frequentemente, por razões várias, utilizar como fontes livros ou literatura cinzenta sem autor. Nestes casos a citação deve fazer-se colocando no lugar do nome do autor a referência s. a.. Em caos excepcionais devem citar-se os livros por ordem alfabética a partir da primeira palavra do título ou recorrendo ao seu autor institucional.

Exemplo 1: s. a. (1958), Coimbra de outros tempos. Coimbra: Coimbra editora.

Exemplo 2 (manuais sem autor): Manual of Style (1993). Chicago: University of Chicago Press.

Exemplo 3 (quando o autor é uma instituição): Direcção Geral do Turismo (2001), 2000 - Os números do Turismo em Portugal. Lisboa: Direcção Geral do Turismo.

Exemplo 4 (livros sem data, sem local de edição e/ou sem editor): Belo, Joaquim (s. d.), O Porto de setecentos. s. l.: s. e..

OU

Belo, Joaquim (s.n.t.), O Porto de setecentos.

s.n.t. Significa “sem notas tipográficas”.

LIVRO DE vários autores

Livros com vários autores não identificados na capa do livro ou na ficha técnica.

Exemplo: VV.AA (1997), Regionalização e Identidades Locais: a preservação e reabilitação dos centros históricos. Lisboa: Cosmos.

Artigos em revistas Científicas

O modelo base de citar um artigo em revista segue esta ordem: 1) Último nome do autor, seguido de vírgula, o primeiro nome do autor e espaço. 2) Abrir parêntesis, seguido do ano de edição, fechar parêntesis, vírgula e espaço. 3) Título do artigo, fechar aspas, ponto final e espaço. 4) Nome da revista (em itálico), vírgula e espaço 5) Número da revista, vírgula e espaço 6) página onde começa o artigo, hífen, página onde acaba o artigo e ponto final.

Exemplo 1: Peixoto, Paulo (1995), “A sedução do consumo. As novas superfícies comerciais urbanas”. Revista Crítica de Ciências Sociais, 43, 147-169.

Exemplo 2 (para números de revistas publicadas em vários volumes em que o volume publicado retoma a paginação do anterior) acrescentar ao número da revista o número do volume: Adler, J., (1989 ), “Travel as Performed Art“. American Journal of Sociology, 94 (6), 1366-1391.

Exemplo 3 (dois ou três autores): Fortuna, Carlos; Ferreira, Claudino e Abreu, Paula (1998/1999), “Espaço público urbano e cultura em Portugal”. Revista crítica de ciências sociais, 52/53, 85-117.

Exemplo 4 (mais de três autores): Silva, Américo; Bastos, Eliana; Rosa, Júlio e Mendes, Afonso (2001), "A sociologia brasileira no dealbar do século XXI". Revista brasileira de sociologia, 114, 128-149.

OU substituir os outros autores pela expressão et al.

Silva, Américo et al. (2001), "A sociologia brasileira no dealbar do século XXI". Revista brasileira de sociologia, 114, 128-149.

Jornais e revistas

Sempre que se citam artigos de jornais ou revistas tem de fazer-se uma distinção entre os artigos que são assinados por um autor e aqueles que não são. Quando os artigos são assinados por um autor a regra de citar é idêntica às citações de artigos de revistas científicas.

Exemplo 1 (artigos assinados por autor):

Costa, João (2002), "A desertificação dos centros históricos". Público, 20 de Abril, pp. 36.

Exemplo 2 (artigos ou notícia não assinado por autor):

Diário de Coimbra (2000), "Queremos ver os turistas de cebolas às costas", 19 de Agosto, pp. 5.

artigos em formato electrónico (retirados da internet)

De bases de dados comerciais

Exemplo:

Graham, Lorie M. (1998), "The Past Never Vanishes: A Contextual Critique of the Existing Indian Family Doctrine". American Indian Law Review, 23, 1. Pesquisado em 25 de Maio de 1999. Disponível em LEXIS-NEXIS Academic Universe, Law Reviews.

Versões electrónicas de jornais

Exemplo 1:

Clary, Mike (2000) "Vieques Protesters Removed Without Incident". Los Angeles Times, 5 de Maio. Página consultada a 7 de Maio de 2000, <http://www.latimes.com/news/nation/updates/lat_vieques000505.htm>.

Exemplo 2 (artigos ou notícias sem autor em jornais electrónicos:

Público (2002), "Comissão independente garante isenção na análise à RTP", 30 de Maio. Página consultada a 30 de Maio de 2002 <http://ultimahora.publico.pt/shownews.asp?id=147535>.

artigos em REvistas electrónicas

Exemplo1:

Smith, Herman W. e Takako Nomi (2000) "Is Amae the Key to Understanding Japanese Culture?". Electronic Journal of Sociology, 5, 1. Consultado em 5 de Maio de 2000, <http://www.sociology.org/content/vol005.001/smith-nomi.html>.

Exemplo 2:

Jeudy, Henri-Pierre (1996), “Au tout patrimoine”. Actas do seminário ‘Ville et patrimoine. Consultado em 4 de Junho de 2002, <http://www.vtm-asso.com/ressources/7seminaires/patrimoine/2seanPatr.htm>

informação disponível em páginas electrónicas

Exemplo 1:

Centro de Estudos Sociais (2002), "Bolsa CES de curta duração". Página consultada em 3 de Junho de 2002, <http://www.ces.fe.uc.pt/misc/0001.html>.

Exemplo 2 (se a página não revelar a data da última actualização):

Universidade de Brock (s. d.), "Sociology@Brock". Página consultada a 5 de Junho de 2002, <http://www.brocku.ca/sociology/>.

artigos Publicados em actas de congressos disponíveis em CDROM

Exemplo:

Fortuna, Carlos e Peixoto, Paulo (2002), "As novas e as velhas imagens das cidades: um olhar sobre a transformação identitária de cinco cidades portuguesas". Actas do IV Congresso da Associação Portuguesa de Sociologia: Associação Portuguesa de Sociologia (em CDROM).

Documentos audio e vídeo

Documentários e emissões audio ou vídeo devem ser citados do seguinte modo.

Exemplo 1 (Se o documentário está inserido numa série ou rubrica):

Saraiva. José Hermano (2003), "O Castelo de Guimarães". Horizontes da Memória, 15 de Janeiro de 2003, RTP2.

TSF (2003), "Código de ética para o futebol". Fórum TSF, 15 de Janeiro de 2003, TSF.

Exemplo 2 (Documentário não inseridos em séries ou rubricas):

Antena 1 (2003), "Os novos meninos da rua". Emissão da Antena 1 de 15 de Janeiro de 2003, apresentação de João Lourenço, 17:30h-19:00h.

BBC (2002), "As empresas nómadas". Emissão da SIC de 15 de Janeiro de 2003, 23:00h-24:00h.

Exemplo 3 (Citação a partir da emissão de rádio ou televisão):

SIC Notícias (2003), "Edição da Noite". Debate entre António Carvalho e Américo Ramos moderado por Júlio Mendonça, 15 de Janeiro.

Em alternativa, sempre que se pretendem referenciar fontes "consultadas" em documentos áudio ou vídeo, em vez de se proceder a uma citação no corpo do texto com uma entrada correspondente das referências bibliográficas finais, pode introduzir-se uma nota de rodapé onde se refere que a informação foi veiculada num determinado documento áudio ou vídeo.

outros

Documentos e relatórios governamentais

Dado que a natureza dos documentos públicos, em particular, e da literatura cinzenta, em geral, é tão variada, o modelo de citação destes documentos não pode ser estandardizado. A regra essencial a adoptar nestes casos é facultar, na citação, a informação suficiente para que o leitor possa localizar facilmente a referência.

Exemplo 1:

Ministério da Economia (1998), As novas energias não poluentes ao serviço do desenvolvimento das empresas. Lisboa: Gabinete de estudos prospectivos do Ministério da Economia.

Exemplo 2:

Direcção Geral do Turismo (2001), "Dados preliminares sobre os fluxos turísticos registados em Portugal em 2000". Brochura da Direcção Geral do Turismo: Lisboa.

teses e dissertações

Exemplo:

Mendes, José Manuel (1999), "Do ressentimento ao reconhecimento: vozes, identidades e processos políticos nos Açores: 1974-1996", Tese de doutoramento em sociologia. Coimbra: Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra.


Citações e referências bibliográficas com nomes compostos

Autores com nomes compostos devem ser citados, no corpo do texto e na lista das referênicas bibliográficas, com o nome composto.

Exemplos:

Amaral Júnior, Margarida ...

Castelo Branco, Luís ...

Garcia Márquez, Gabriel ...

Lévi-Strauss, Claude ...

Santa Eulal, Begona ...

São José, José ...


Notas de Rodapé e Referências bibliográficas

notas de rodapé

a) As notas de rodapé não devem ser excessivas, sob pena de desviarem o leitor do argumento central do texto.

b) As notas de rodapé devem ser usadas para citar material pouco divulgado e de acessibilidade limitada, bem como para acrescentar informação apresentada num quadro ou gráfico. Podem ser também utilizadas para referenciar outras abordagens da problemática tratada.

c) As notas de rodapé devem ser numeradas sequencialmente com números árabes e incluídas em pé de página (Footnotes) em no final de secções (Endnotes).

referências bibliográficas

a) As referências bibliográficas deverão ser colocadas no fim do texto, ou no final de uma secção a seguir às notas de rodapé, numa secção autónoma designada "referências bibliográficas".

b) Todas as referências citadas no corpo do texto têm obrigatoriamente de estar listadas nas "referências bibliográficas" e vice-versa.

c) As referências devem ser listadas por ordem alfabética a partir do último nome do primeiro autor.

d) As referências de um mesmo autor devem ser ordenadas por ano de publicação do ano mais antigo para o mais recente.

e) Trabalhos de um mesmo autor e de um mesmo ano devem ser distinguidos através da junção de letras à data de publicação (Exemplo: 2002a; 2002b; 2002c).

f) As referências bibliográficas utilizadas devem, o mais possível, estar actualizadas, dever ser variadas (livros, artigos, etc.), devem ser legíveis (cf. alínea anterior) e devem seguir um sistema de descrição normalizado como, por exemplo, o que é indicado nesta página.


FONTES UTILIZADAS

British Library (1987), International Standart Bibliographical Description for monographic Publications (ISBD). Londres: International Federation
of Library Associations.

Caron, Rosaire e Blanchet, Robert (2002), "Comment citer un document électronique?" Página consultada em 12 de Junho de 2002, <http://www.bibl.ulaval.ca/doelec/citedoce.html>.

Estivill , Assumpció e Urbano, Cristóbal (1997), "Cómo citar recursos electrónicos". Página consultada em  12 de Junho de 2002, <http://www.ub.es/biblio/citae-e.htm>.

Hoemann, George (1998), "Electronic Style - What's Here". Página consultada em  12 de Junho de 2002, <http://web.utk.edu/~hoemann/whats.html>.

Instituto Português do Património Cultural (1984), Regras Portuguesas de Catalogação. Lisboa: IPPC.

International Organization of Standardization (2002a), "Excerpts from International Standard - ISO 690:1987". Página consultada em  4 de dezembro de 2002, <http://www.nlc-bnc.ca/iso/tc46sc9/standard/690-1e.htm>.

International Organization of Standardization (2002b), "Excerpts from International Standard - ISO 690-2". Página consultada em  4 de dezembro de 2002, <http://www.nlc-bnc.ca/iso/tc46sc9/standard/690-2e.htm>.

John F. Kennedy Memorial University Library (2000), "ASA Format - American Sociological Association". Página consultada em  9 de Junho de 2002, <http://www.calstatela.edu/library/bi/rsalina/asa.styleguide.html>.

Matos, Manuel A. (1994), "Normas para apresentação de dissertações. Bases essenciais." Página consultada em  4 de Dezembro de 2002, <http://www.fe.up.pt/~mam/normas.pdf>.

Moura, Gevilacio Aguiar Coêlho de (2002), "Citações e referências a documentos eletrônicos". Página consultada em  12 de Junho de 2002, <http://www.quatrocantos.com/tec_web/refere/index.htm>.

Nunes, Luís Miguel (2001), "Regras para elaboração de relatórios técnicos e científicos". Página consultada em  4 de Dezembro de 2002, <http://w3.ualg.pt/~lnunes/Textosdeapoio/normas.PDF>.

The University of Wisconsin-Madison Writing Center (2001), "Citing Electronic Sources". Página consultada em  12 de Junho de 2002, <http://www.wisc.edu/writetest/Handbook/elecmla.html>.

Tong, Josie (2002), "Citation Style Guides for Internet and Electronic Sources". Página consultada em 12 de Junho de 2002, <http://www.library.ualberta.ca/guides/citation/index.cfm>.

© 2002 - 2010 Paulo Peixoto, Faculdade de Economia, Universidade de Coimbra