Citar e Referenciar

Como citar e referenciar as fontes consultadas?

Existem diferentes modos de citar e de referenciar. Isso deve-se à diversidade de normas e, sobretudo, de estilos. Porém, qualquer que seja o formato escolhido, a única maneira aceitável de citar e de referenciar é citar e referenciar corretamente. Ou seja, a citação tem de remeter inequivocamente para uma referência bibliográfica detalhada e a referência bibliográfica tem de permitir identificar e localizar, sem qualquer equívoco possível, o documento citado.
No sistema francófono de citação e de referenciação bibliográfica predomina a citação em pé de página e a referenciação por via de introdução de uma "Bibliografia" (o que significa que na lista bibliográfica final são incluídas obras consultadas mas não citadas no texto escrito). O sistema americano, também conhecido por sistema de Harvard, recorre predominantemente ao formato de citação autor-data (citando no corpo do texto) e ao formato de referenciação bibliográfica através de uma lista de "Referências bibliográficas" no final do texto (o que significa que nessa lista aparecem, por ordem alfabética, todos os autores citados no texto).
A utilização de páginas eletrónicas e de documentos retirados da Internet coloca algumas questões pertinentes sobre a forma de os citar e de os referenciar. As normas bibliográficas estão em constante atualização e os estilos de citação e referenciação são, eles próprios "coisas vivas" (por exemplo, o estilo APA vai da sexta edição e o estilo Chicago na décima sexta. Além disso, muitos estilos incorporam eles próprios a opção de citar em pé de página ou no corpo do texto, de modo a corresponder às solicitações editoriais das publicações científicas). Esta página procura responder às dúvidas surgidas neste domínio. Nos exemplos que seguimos, adotamos o estilo Chicago (autor-data, décima sexta edição). Mas o que os estudantes aprendem na unidade curricular é a dominar ferramentas de citação e de referenciação que são, ao mesmo tempo, acessíveis e permitem flexibilizar, com um só clique, a alteração de estilos (citações e referências) num determinado texto, independentemente da sua dimensão.
O modelo de citação e de referenciação adotado na unidade curricular obedece aos critérios das normas ISBD - "International Standart Bibliographic Description" e às Regras Portuguesas de Catalogação, nomeadamente às normas sobre referências bibliográficas e citações NP 405 (NP 405-1:1994 - Informação e documentação. Referências bibliográficas: documentos impressos / NP 405-2:1998 - Informação e documentação. Referências bibliográficas. Parte 2: Materiais não livro / NP 405-3:2000 - Informação e documentação. Referências bibliográficas. Parte 3: Documentos não publicados / NP 405-4: 2002 - Informação e documentação. Referências bibliográficas. Parte 4: Documentos eletrónicos). Obedece ainda às Normas ISO (International Standart Organization), nomeadamente às normas ISO 690-2 e ISO 690:1987.

  • Veja como citar e referenciar as fontes bibliográficas e documentais [ppt]

  • Para que servem as citações e as referências bibliográficas?

    Uma citação e a correspondente referência bibliográfica cumprem cinco funções essenciais:

    • Reconhece o mérito do autor do texto consultado. Trata-se, acima de tudo, de uma questão de honestidade intelectual e, frequentemente, de uma responsabilidade deontológica pautada pela não apropriação indevida do trabalho dos outros. A utilização de fontes bibliográficas é, supostamente, reveladora de uma atitude intelectual prudente de quem reconhece não estar a "descobrir a pólvora". Quando não se cita pode-se inadvertidamente estar a plagiar outros autores. A alínea a) do nº 76 do Código dos Direitos de Autor (Lei 45/85 de 17 de setembro) diz explicitamente que a utilização livre de publicações deve ser acompanhada “Da indicação, sempre que possível, do nome do autor e do editor, do título da obra e demais circunstâncias que os identifiquem”. O ponto 2 do mesmo artigo refere que “As obras reproduzidas ou citadas não se devem confundir com a obra de quem as utilize, nem a reprodução ou citação podem ser tão extensas que prejudiquem o interesse por aquelas obras”.;
    • Confere maior credibilidade àquilo que o autor escreve, pois denota a sua preocupação em consultar o trabalho daqueles que escreveram sobre o mesmo tema. Sempre que se trata da utilização de uma fonte reconhecida, vista como uma autoridade nesse campo, reforça essa mesma credibilidade. Para quem lê, a citação permite identificar as ideias e informações da autoria de quem escreve e aquelas que são retiradas ou inspiradas em outras fontes.;
    • Possibilita, a quem lê, localizar, confirmar e explorar a fonte de onde foi extraída a informação.;
    • Permite mostrar que o autor do texto está atualizado em relação às fontes bibliográficas relativas ao tema que ele trata;
    • Funciona como espécie de "memória auxiliar" para o autor, permitindo-lhe o seu uso posterior.

    Citações e referências bibliográficas nos trabalhos dos estudantes

    O desenvolvimento de um trabalho académico íntegro obriga não só à identificação das fontes, mas também à criação de ideias próprias. Embora esta regra seja de fácil compreensão a sua aplicação prática está rodeada de algumas dificuldades. As dificuldades mais comuns com que os estudantes se deparam na elaboração dos seus relatórios e trabalhos académicos são:

    • Basearem excessivamente os seus relatórios e trabalhos académicos na informação de um ou poucos autores, não confrontando devida e extensivamente as fontes bibliográficas;
    • Parafrasearem ou sumariarem excessivamente a linguagem e ou informação de outros autores, sem que acrescentem informação ou opinião próprias;
    • Citar incorrectamente as fontes, citando sem referenciar, referenciando sem citar e disponibilizando informação contraditória entre a citação e a referenciação;
    • Dependerem excessivamente das fontes eletrónicas, não aproveitando a riqueza da diversidade de fontes, umas vezes reproduzindo informação que não é fidedigna, outras vezes baseando-se em fontes de qualidade duvidosa.

    Mais grave que isto, constituindo violações graves da integridade académica, é apresentar trabalhos de pesquisa iguais ou idênticos em disciplinas diferentes ou "pedir emprestados" trabalhos a colegas de anos anteriores ou de outras universidades e apresentá-los como originais seus.

    Ao redigirem os seus trabalhos e relatórios os estudantes são frequentemente confrontados com as seguintes dúvidas: o que citar e não citar? cito em demasia? onde colocar a citação? como evitar o plágio?

    Relativamente à dúvida "o que citar" há uma regra básica a seguir: devem ser citadas todas as ideias específicas, as opiniões e os factos que não são da autoria de quem escreve. Em contrapartida não deve ser citado tudo aquilo que faz parte do conhecimento comum. O conhecimento comum tanto diz respeito à informação conhecida pelo público em geral, como à informação genérica de um dado campo profissional. Contudo, porque muitas vezes é difícil identificar onde começa e onde acaba o conhecimento comum, uma boa regra a seguir é "na dúvida deve citar-se".

    Sentir-se compelido a fazer uma citação em quase todas as frases significa que não se pensou o suficiente, não se dispensou a atenção devida ou o tempo de investigação necessário ao tópico que se analisa, de modo a que possam surgir e ser desenvolvidas ideias próprias. Um relatório de pesquisa não deve cingir-se a uma compilação de ideias e factos de outros trabalhos. As fontes devem constituir apenas a base a partir da qual são desenvolvidas as ideias de quem escreve. A regra de ouro é, "sempre que é usada informação de outras fontes essa informação deve ser comentada". Além disso a importância e o tamanho do comentário não devem ser nunca menores que a dimensão da fonte utilizada.

    Em relação ao local mais indicado para colocar a citação, o final do parágrafo não é, geralmente, o local mais aconselhado. Na verdade, a citação colocada no final do parágrafo deixa frequentemente o leitor na dúvida. A citação diz respeito à última frase do parágrafo, ao parágrafo todo, ou a parte do parágrafo? É necessário que quem redige revele explicitamente onde começa e onde acaba a informação da fonte utilizada. A maneira mais fácil de concretizar este desiderato é recorrer a expressões como "Segundo Pedro Hespanha (...)" ou "Carlos Fortuna sustente que (...)".

    Sempre que se reescrevam ideias ou informações através de palavras próprias, seja sumariando, seja parafraseando, as ideias e a informação não nos pertencem. A fonte deve, por isso, ser citada, de modo a permitir sempre a localização exata da informação citada. Caso contrário estamos a praticar um plágio que, no meio académico, constitui uma das ofensas mais graves. Plagiar é usar ideias e os escritos de outros autores como se eles fossem nossos.

    Tento ensaístico sobre o plágio na academia
    Saiba mais sobre fraude e plágio na academia
    Saiba mais sobre fraude e plágio no ensino superior em Portugal

    Como citar e referenciar esta página? Exemplos, respetivamente, para os estilos APA (sexta edição) e Chicago (décima sexta-edição)
    APA - (Peixoto, 2016) | Peixoto, P. (2016). Citar e referenciar. Obtido em 19 de setembro de 2016, de Fontes de Informação Sociológica: http://www4.fe.uc.pt/fontes/citar.html.
    Chicago - (Peixoto 2016) | Peixoto, Paulo. 2016. Citar e referenciar. Acedido em 19 de setembro de 2016. http://www4.fe.uc.pt/fontes/citar.html.